Menina, de tinta, és tu a única que vinga…

Eu percebi
Era tudo uma questão de tinta pelo corpo
Para que o teu desmato pudesse florescer
Menina em arte,
O que trouxestes a mim?

Eu te fiz vingar
Eras a criadora, mas eu fui quem criou
quem te criou.

Mas outro era o idioma
E as flores da outra, ainda outra
As flores de ti
Eram-me desconhecidas

Cultivei-as,
ainda que me oferecessem apenas mistério
Tuas flores caminhantes
de um primeiro de outubro
dia desta minha confusão
de trazer quase tudo de ti
ao meu outro quase tudo.

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

%d bloggers like this: