Assim, ensinei

E é assim que me ensinei

Sofro o toque que vem de movimentos errados

Em meio aos ensaios tantos, calos e tropeços

Aqui estou eu, parado, e digo:

‘Espero! Sim’

Traga todas as lições, eu preciso absorver

Em mãos após mãos, encontrar

Corri os olhos em tudo, ainda que pouco,

Mas em lugar algum senti um me deixar

Perguntei:

Quem poderia me indicar um precipício

No qual eu poderia me despejar em real encontro?

Mais perto, mais perto do outro solo

O depois, o embaixo do mundo

Se não foi assim que me ensinei, não sei

Respostas me incomodam, dúvidas não construo

Pois discordar é descontruir, meramente

Não pretendia mesmo ver encaixes, sei

Mas nas pausas

Nos vácuos tantos entre previsões

Estilhaçam-se os escombros de dor

E nada mais há

inclusive para ser descontruído

Não pretendia ver apenas desencaixes, sei

E nestas condições, sim, espero

Que me alcances,

Que me ensines

Espero.

1 comment
  1. Shayene said:

    E eu espero que você tenha consciência do brilhantismo de suas entrelinhas, caríssima, ‘alma perdida/amiga’.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

%d bloggers like this: